Como é a vida de um cão surdo

DOGBLOG.COM.BR traz, no Dia Internacional da Audição, a história da cadela Eva, surda, que vive no Canadá e tem uma vida normal como outros cachorros que não tem surdez.

03 de março – Dia Internacional da Audição

Conheça 5 sinais de início de surdez nos cães em outro post nesse blog

Há várias causas que podem levar à perda de audição de um cão. Principalmente, observa-se no dia a dia, a causa degenerativa dos nervos da região auditiva por avanço da idade. Esse processo de perda é similar ao que acontece com nós, humanos.

Conheça a história de Eva, uma doce cadela surda

O casal canadense, Brittinei e Charles Mapletoft, diariamente tem que explicar aos que observam sua cadela Eva, que sim, trata-se de um animal surdo desde seu nascimento e que, mesmo assim, tem uma vida feliz e ativa, exatamente como outros animaizinhos que não trazem essa deficiência.

Brittinei confessa que treinar um cão surdo não foi tarefa fácil e, além do mais, não havia tanta informação online. “Conforme Eva aprendia a responder comandos, também aprendíamos que era a maneira adequada de ensiná-la”, comenta a tutora.

Ao se comunicar com Eva, a linguagem corporal desempenha um papel enorme. O casal conta que, por exemplo, se estão tentando fazê-la largar o brinquedo da gata e sorriem, ela não o solta. Mas se você a encara de modo sério, ela compreende como um não e desiste.

Uma das perguntas mais comuns feita ao casal é “como vocês a chamam?” A melhor maneira que encontraram é o uso de um colar vibratório. Ela usa quando estão nos passeios fora de casa. “Quando precisamos da atenção dela, apertamos um botão no controle remoto e o colar vibra. Eva sabe que isso significa encontrar quem tem o controle remoto”, conta Charles.

dogblog.com.br  e cães surdos
Eva vive na cidade de Sudbury, na província de Ontario no Canada
Como é a “voz” da Eva

Por um lado, contam os tutores, é acalentador saber que Eva não sofre com barulhos de queima de fogos (sim, no Canadá é comum espetáculos pirotécnicos em datas comemorativas). Sob outro ponto de vista, um cão que não late e não se manifesta vocalmente deixa seus tutores angustiados: será que ela está feliz? “será que ela precisa de algo ou está sentindo alguma dor que não conseguimos identificar?”

Bem, Eva surpreendeu o casal quando há cerca de um ano reagiu a uma situação emitindo um som. “Sinceramente, foi um grito horrível para nós”, contam. Em algumas situações o som volta a ser emitido por Eva, com seus tutores já um pouco mais acostumados com esse som incomum.

Ela não cochila como um cão que escuta, na verdade ela tem sonecas rápidas (de 2 horas aproximadamente) e para ser acordada precisa ser tocada gentilmente.

Como Eva é muito ativa, durante o dia brincam cerca de 4 horas com ela, levando-as para passeios, incentivando-a a brincadeiras com bolinhas e, claro, recompensando-a sempre com petiscos (Eva é muito gulosa!)

O fato das pessoas não saberem que ela é surda, até que contemos a elas que Eva é como qualquer outro cachorro é sinal de que cuidamos bem dela. Não a trocaríamos por nada desse mundo. Ela é a nossa incrível surda”, confessam Brittinei e Charles.