Análise de Produto – Ração Gran Plus Choice para Cães Adultos

O DOGBLOG.COM.BR avaliou o rótulo da ração Gran Plus Choice e publica sua opinião e as notas atribuídas para cada item avaliado. Em fevereiro de 2020.

Leitores do nosso DOGBLOG.COM.BR pediram para analisarmos o alimento completo (ração) GRAN PLUS. Abaixo, segue a análise e nossa avaliação das informações prestadas pelo fabricante e constantes na embalagem do produto Gran Plus Choice Cães Adultos Carne e Frango.

*a avaliação foi feita com o produto denominado Gran Plus Choice Frango & Carne.

O DOGBLOG.COM.BR não recebe valores ou ajuda de qualquer fabricante de ração, veterinários, lojas ou de terceiros envolvidos com as marcas analisadas.

Abaixo, o quadro de avaliação da ração Gran Plus Choice.

Como pontos negativos temos a presença de transgênicos, de ingredientes proteicos com excesso de matéria mineral (farinha de carne e ossos) e de conservantes químicos como BHA e BHT.

A ração Gran Plus Choice estaria adequadamente situada na categoria Premium e não na Premiu Especial, que pressupõe alguns diferenciais em termos de composição e da adição de ingredientes funcionais.

O premix (o composto de vitaminas e minerais) pode ser considerado bom.

 Equipe de Redação - DOGBLOG.COM.BR em janeiro de 2020 

Amor pelo cão Scout faz empresário gastar 6 milhões de dólares para agradecer a veterinários pela cura

Veterinária da Universidade de Wiscosin abraça Scout, salvo do câncer pelo conjunto de terapias desenvolvido no setor de pesquisa da escola

A final anual do campeonato de futebol americano, Super Bowl, é o evento que apresenta a publicidade mais cara da televisão mundial além de ser a data com o segundo maior consumo de comida nos Estados Unidos, só atrás do dia de Ação de Graças.

Realizada no final de janeiro, a edição de 2020 marcará a história dessas finais por causa de Scout, um golden retriever de 7 anos que, há pouco mais de 6 meses, foi diagnosticado com câncer para a profunda tristeza e inconformismo de seu tutor, o empresário de acessórios para veículos David MacNeil.

David conta que, ao receber a explicação sobre o diagnóstico na sala da veterinária, olhou para Scout que, inocentemente, abanava seu rabo, sem saber que estava sendo sentenciado à morte no prazo de um mês.

O empresário não se conformou, recusou a sugestão de sacrifício proposta pela veterinária e correu com Scout para a clínica da escola de veterinária da Universidade de Wiscosin, onde os professores que atendem na clínica decidiram tratar Scout com uma agressiva bateria de sessões de quimioterapia e radioterapia que eliminou o tumor. Essa combinação de terapias que teve sucesso e salvou a vida de Scout está em desenvolvimento pela Universidade e, naturalmente, custa caro.

David decidiu então veicular um comercial de 30 segundos, pagando 6 milhões de dólares somente pela exibição (equivale a R$ 24 milhões, o que daria para comprar 10 apartamentos de 3 dormitórios nos Jardins, em São Paulo), demonstrando sua gratidão aos veterinários que o ajudaram a continuar com seu amado cão e, ao mesmo tempo, para pedir doações para que outros cães possam ter o tratamento pago e ter suas vidas salvas.

O empresário David MacNeil e seu amado cão Scout

Quem ama seus animais e os cria como filhos sabe que não foi loucura o que o empresário David fez. Continuidade de vida feliz para o querido Scout e seu cuidadoso e amoroso tutor David.

Link do vídeo original veiculado durante a final Super Bowl: https://youtu.be/Fi2WwRJDii0

Luiz Antonio Santos, Editor

Faltam mais alimentos ‘light’ no mercado latino americano de petfood

O fenômeno (lamentável) de aumento dos casos de cães e gatos com sobrepeso ou obesidade nos Estados Unidos, embora seja notado e notificado há mais tempo, não é isolado. No Brasil e na América Latina, médicos veterinários observam um volume assustador de casos, também aumentando anualmente, desde 2014, conforme fontes da Revista Pet Food Industry.

Um quilo a mais para um cão representaria o aumento de 7 kg para um humano. Um quilo a mais para um gato representaria, por sua vez, 25 kg a mais para um humano. Fonte: Pet Food Industry, 2019

No Brasil, temos versões de alimentos completos industrializados (rações) com redução de calorias ou específicas para atuarem como coadjuvantes em tratamentos contra a obesidade somente na categoria Super Premium e alguns poucos na categoria High Premium.

Por outro lado, rações de categorias Premium e Standard, para facilitar o processo industrial de fabricação (extrusão), tem adição de muito carboidrato, o que inviabiliza a a tentativa de se oferecer um alimento com menos calorias.

Com escassez de oferta de alimentos light, uma parcela considerável de tutores vê-se obrigada a optar por AN (Alimentação Natural), que esse DOGBLOG.COM.BR prefere chamar de alimentação caseira ou preparada.

Como pontos negativos, a AN tem a desvantagem do tempo de preparo, o prazo de validade, a necessidade de se adicionar um multivitamínico à dieta e, ainda, um preço que chega a ser 3 a 4 vezes superior às rações industrializadas, mesmo as de categoria Super Premium sem transgênicos e sem conservantes químicos.

Não temos dúvida de que uma refeição preparada com ingredientes frescos, com receita executada pelo próprio tutor ou por empresa especializada de confiança nos traz segurança no que estamos oferecendo para nossos pets. Portanto, não consideramos a AN ou alimentação caseira uma opção a ser evitada, de forma alguma.

Deve-se, no entanto, tomar a decisão de trocar a dieta com rações industrializadas por AN, conscientemente, sempre respondendo às seguintes perguntas:

  • terei condições de arcar com os custos maiores da AN por um período de tempo suficiente para que o pet não seja submetido a trocas constantes de dietas?
  • consigo me programar para dedicar um tempo para preparar (no caso do próprio tutor cozinhar a AN) ou mesmo para misturar e aquecer as refeições do meu pet?
  • tenho condição de adicionar a cada refeição um composto de minerais e vitaminas (preferencialmente calculado e prescrito por um médico veterinário, zootecnista ou nutricionista) a fim de fornecer os micronutrientes de que meu pet precisa?
Dificilmente o pet obterá as quantidades mínimas diárias desse minerais com a AN, havendo necessidade de suplementação a partir de receita do veterinário, zootecnista ou nutricionista

Quais as diferenças entre um alimento completo e um alimento completo light

Basicamente, a densidade energética para cães e gatos em tratamento de obesidade deve ser menor que 3.000kcal/kg

As gorduras (por kg) devem somar menos que 9% do total, as proteínas precisam estar abaixo de 28% (cães) e de 40% para gatos e as fibras precisam fazer parte da dieta em maior volume (cerca de 20% a mais).

Esses números são referenciais e dificilmente podem ser calculados por não especialistas devido às variáveis envolvidas (energia e características individuais do animal). Um médico veterinários especialista em nutrição ou um zootecnista são os profissionais indicados para a realização desse cálculo.

Ingredientes funcionais como o mineral Cromo e o aminoácido Carnitina (geralmente adicionado como L-Carnitina) devem estar presentes na composição de alimentos light.

Enquanto o Cromo auxilia na redução da sensação de fome (atuando como um saciador), a Carnitina terá a função de promover o uso da gordura para transformação em energia. Em linguagem figurada, a Carnitina aceleraria a transformação de parte das gorduras ingeridas em energia, dinamizando o metabolismo do animal e, com isso, “queimando” mais calorias.

Luiz Antonio Santos

Editor