Ômega 3: porque seu cão não deve deixar de ingerir

Luiz Antonio dos Santos – Editor

Um dos ingredientes cujo uso na dieta de cães eu tenho defendido ao longo dos anos por enxergar evidências de benefício através de pesquisas e artigos é o Ômega 3, gordura presente principalmente em peixes de água fria e em óleos vegetais.

Entendendo o ômega 3

Ômega 3 é a denominação de um tipo de gordura, tecnicamente chamada de ‘ácido graxo’, que é composta por vários ingredientes, com destaque para dois que são extremamente benéficos para os cães: os ácidos EPA e DHA. Existe uma diferença na concentração e na absorção de EPA e DHA, dependendo da fonte. Os óleos de peixe de águas frias possuem maior concentração desses ácidos, enquanto os óleos vegetais apresentam reduzida presença.


Fique ligado (a): ômega 3 para ter efeitos benéficos para os cães precisam ser de óleo de peixe de água fria. Rações e suplementos com óleos vegetais como fonte de Ômega 3 pouco efeito positivo terão para a saúde do seu cão, pois não oferecem EPA e DHA ‘prontos”.

Benefício 1: anti-inflamatório

O EPA e o DHA são antiinflamatórios naturais e podem contribuir em muito para:

  • Redução de dores
  • Redução ou extinção de alergias (que são inflamações)
  • Importante auxílio nos tratamentos de osteoartrite
  • Segundo benefício: atuação para pele e pelagens sadias
  • Redução de coceiras
  • Fortalecimento de barreira cutânea
  • Brilho e renovação de pelagem
  • Menor queda de pelos
  • Terceiro benefício: sistema cardíaco
  • Diminui a arritmia*

* Modificação no ritmo das batidas do coração, que pode ser para muito acelerado (taquicardia), muito lento (bradicardia) ou irregularidade na pulsação (descompasso).

Benefício 2: atuação para pele e pelagens sadias

  • Redução de coceiras
  • Fortalecimento de barreira cutânea
  • Brilho e renovação de pelagem
  • Menor queda de pelos

Benefício 3: sistema cardíaco

  • Diminui a arritmia*

* Modificação no ritmo das batidas do coração, que pode ser para muito acelerado (taquicardia), muito lento (bradicardia) ou irregularidade na pulsação (descompasso).

Benefício 4: sistema renal

  • Protege rins de lesões ou, ainda, desacelera a progressão de doenças como a renal crônica.

Benefício 5: tratamento do câncer

  • Estudos sugerem auxílio na diminuição de metástase

Benefício 6: sistema cognitivo

Eu sugiro a suplementação com produtos específicos ou adição de óleos de peixe nas dietas do cães a partir de 4 anos de idade (e para a toda a vida) para tentarmos evitar algo que pode vir a ocorrer com o passar da idade, que é a Síndrome da Disfunção Cognitiva Canina, uma espécie de Alzheimer de cães, que os faz perder memória, repetir ações aparentemente sem sentido (andar em círculos, beber água compulsivamente, latir sem estímulo, acordar no meio da madrugada e agir como se fosse dia).

Por ser um benefício tão importante, estamos publicando o resultado de uma pesquisa, concluída em 2017 que reforça essa crença no benefício, principalmente do DHA, na redução das disfunções cognitivas. Veja aqui: http://dogblog.com.br/dha-disfuncao-cognitiva-caes/

Contra indicações

Nem tudo são flores. Ômega 3 em excesso ou sem uma  medida de prescrição podem acarretar problemas perigosos e indesejáveis:

  • atrasar cicatrização de feridas
  • diminuir coagulação sanguínea (antes de cirurgias invasivas, seu veterinário poderá pedir para suspender o ômega 3 da dieta)
  • risco de pancreatite (caso as doses sejam ministradas ou oferecidas sem critério e em quantidade acima do necessário)

Ômega 3 é gordura…

Assim sendo, cuidado com a oferta desse maravilhoso ingrediente caso você esteja tentando diminuir o sobrepeso ou obesidade de seu cão. Um veterinário com bons conhecimentos de nutrição deverá lhe ajudar a encontrar a dose ideal para ingestão.

Como encontrar

Algumas rações Super Premium trazem quantidades bastante razoáveis de ômega 3 (EPA e DHA) em suas formulações mas, nem sempre suficientes para que os benefícios sejam plenos.

Há a possibilidade de se introduzir óleo de peixe nas dietas dos cães ou usar suplementos à venda em forma de cápsulas. Na Europa e América do Norte há ômega 3 líquido em frascos que permitem ‘borrifar’ a gordura sobre a ração ou refeição do cão. Ainda não vi esse produto dessa forma no Brasil.

Dosagens

Fabricantes de suplementos recomendam, em média, de 800 a 1.000 mg de ômega 3 para cada 10 kg de peso do animal, por dia.

Contudo, é essencial que um médico veterinário com conhecimento de nutrição endosse ou recalcule essa dosagem para que um ingrediente tão fantástico não se torne prejudicial para seu cão.

Cães que ingerem ômega 3 têm melhora de memória

Luiz Antonio Santos – Editor

Pesquisa concluída em 2017, conduzida pelos médicos veterinários pesquisadores K.B. Hadley, J. Bauer e N.W. Milgram, da área de pesquisa da empresa holandesa DSM, aponta que a suplementação do ômega 3 com boa quantidade de EPA e DHA pode fazer uma diferença grande a favor da memória dos cães, evitando ou minimizando a Síndrome da Disfunção Cognitiva Canina (espécie de demência ou Alzheimer que os cães de idade avançada podem sofrer).

Os pesquisadores trabalharam com dois grupos de cães da raça Beagle, oriundos de um centro de cães de Toronto, Canadá. O total de cães participantes foi de 51, sendo que suas idades variaram de 8,6 a 11,1 anos de idade.

Em um período de 124 dias, um grupo foi alimentado com uma suplementação de DHA e outro grupo sem essa suplementação.

Testes de memória

Os cães passaram, diariamente, por brincadeiras que, na verdade, eram testes de memória e a cada período determinado tinham seu sangue colhido para verificar-se a quantidade de ômega 3.

No final da pesquisa, observou-se que o grupo sem suplementação com DHA totalizou 80% de erros nos testes de memória e o grupo com suplementação atingiu 40% de erros, percentual menor, indicando que o ômega 3 (DHA) possa ter beneficiado esse índice de acertos.

Se você quiser conhecer mais sobre os benefícios do ômega 3, leia o post do DOGBLOG.COM.BR publicado em março de 2019. http://dogblog.com.br/omega3-para-caes/